Cervejaria aumentará a produção neste ano e comercializará novo rótulo

Em conversa com o MalteMoney, a cervejaria Walfänger contou sobre seus planos para 2018 e quais estratégias adotará para crescer no mercado de cervejas nos próximos anos.

A cervejaria começa 2018 com crescimento de sua produção, já em janeiro a capacidade produtiva será de 60 mil litros por mês. Este novo ano também marca o início da comercialização da Cerveja 12, uma Helles produzida em parceria com o ex-goleiro Marcos.

Na entrevista, Augusto Balieiro, sócio-fundador da Cervejaria Walfänger, contou um pouco sobre as estratégias de expansão da Walfänger e quais desafios barram um crescimento mais robusto do setor no Brasil.

Fundada em junho de 2015, a cervejaria Walfänger está localizada em Bonfim Paulista, distrito de Ribeirão Preto (SP).

Augusto Balieiro - Cervejaria Walfänger

Augusto Balieiro, sócio-fundador da Cervejaria Walfänger

Recentemente a Walfänger  anunciou o aumento de sua capacidade de produção, como está a estratégia da cervejaria para 2018?

Walfänger: No último semestre de 2017 fizemos uma ampliação de nossa produção. Em setembro, realizamos a instalação de três novos tanques de cinco mil litros cada, aumentando nossa capacidade de 20 mil litros por mês para 40 mil litros mensais.

Em 2018 iremos repetir o processo, teremos a instalação de mais três tanques que começam a produzir a partir de janeiro, possibilitando que nossa capacidade de produção atinja os 60 mil litros/mês.

Quais estratégias acompanham estas ampliações?

Walfänger: Estas ampliações foram necessárias para atender à crescente demanda pela bebida, que deverá crescer neste verão. Além do fortalecimento de nossa presença, com o aumento de nossa produção, poderemos ampliar nossa distribuição regional e alcançar 26 municípios, além da cidade de São Paulo.

Quais os desafios e vantagens de crescer em um mercado cervejeiro tão desenvolvido como o da região de Ribeirão Preto?

Walfänger: A grande vantagem é que a região possui uma grande tradição neste universo da cerveja e isso favorece a todos, pois você cria uma marca para Ribeirão Preto como um polo fabricante de cervejas artesanais, beneficiando todo o setor.

A cidade, já foi reconhecida como capital do chope e agora está sendo retomada essa tradição por meio das cervejas artesanais.

E sobre os desafios?

Walfänger: O grande desafio é concorrer com as grandes marcas. Isto é vivenciado pelo setor de cervejas artesanais em todo o país. As artesanais sofrem com a concorrência das grandes cervejarias, principalmente pelos preços praticados por estas.

Outro desafio que enfrentamos – as cervejarias artesanais e independentes –  é o de crescer no mercado de cervejas, em que representamos menos de 1% do marketshare (participação) das cervejas no Brasil.

Por estes motivos o setor articula algumas ações com o Governo Federal, que recentemente liberou a inclusão das cervejarias artesanais no Simples Nacional. Existe a expectativa de setor representar de 2% a 3% do mercado até o final de 2020, números baixos se comparamos mercados mais maduros como nos Estados Unidos, onde o setor representa 20%.

O mercado pode esperar novidades da Walfänger para 2018?

Walfänger: Teremos novidades sim. O que podemos adiantar é o lançamento da Cerveja 12, do ex-goleiro Marcos, fruto de nossa parceria com o clube de assinaturas de cerveja, lançado no mês passado.

A Cerveja 12, uma Helles, será disponibilizada ao mercado em 2018 e terá distribuição nacional. Inicialmente o rótulo foi distribuído apenas para sócios do Clube 12, clube de assinaturas que disponibiliza aos 12 mil participantes kits com cervejas artesanais, taças e outros itens relacionados à carreira do jogador.

“É um projeto que me deixa orgulhoso e muito feliz. Queríamos lançar no mercado uma cerveja especial, de qualidade, com a ideia de beber menos, mas beber melhor. Ao mesmo tempo, queríamos fazer algo diferente para o torcedor, foi aí que veio a ideia do Clube 12. Estou muito animado em ter esse contato de novo com a galera”, explicou Marcos.